1º de Dezembro - Restauração da Independência de Portugal


Em 1580, Portugal perdeu a sua Independência e passou a ser governado por um vice-rei espanhol, passando D. Filipe II de Espanha a intitular-se também Filipe I, rei de Portugal.
Filipe I nasceu em Valladolid, no ano de 1527 e tomou o Trono Português pela força iniciando um período muito mau para Portugal que durou 60 anos. Recebeu o cognome «O Prudente».
Filipe I faleceu em 1598.
Sucedeu-lhe seu filho Filipe II, de cognome «O Pio». Nasceu em Madrid, em 1578 e faleceu em 1621.
Filipe III sucedeu a seu pai Filipe II. Nasceu em Madrid, em 1605.
O povo português vivia cada vez mais revoltado; a decadência económica e política do país eram péssimas.
Em 1637, rebentou em Évora uma revolução a favor da independência de Portugal que saiu fracassada. Ficou conhecida como «A Revolta do Manuelinho».
Um grupo de quarenta portugueses, no mais absoluto segredo, preparou uma revolução. No dia 1 de Dezembro de 1640, concentraram-se no Terreiro do Paço e, ao soar da última badalada das nove horas, invadiram o Paço da Ribeira onde residia a Duquesa de Mântua, então regente do Rei de Espanha.
D. Miguel de Almeida (um velho fidalgo) assomou a uma varanda e gritou: – «Liberdade! Liberdade! Viva o Rei D. João IV!». A Duquesa tentou opor resistência, mas em vão. O português traidor ou Miguel de Vasconcelos, que era secretário da Duquesa correu a esconder-se num armário mas foi descoberto e pagou com a morte os ultrajes à Pátria. O Povo concentrou-se na Praça e aclamou o novo Rei, D. João IV (Duque de Bragança).
Nesse dia inesquecível, Portugal renasceu, recuperou a sua Independência e põs fim a 60 anos de ditadura espanhola.
Carlos Letra
Livro “História Cronológica do meu Portugal”

Teatro na Escola

  A Companhia de Teatro MINIATRO veio à nossa escola apresentar uma adaptação da obra "Robertices" de Luísa Dacosta. Os meninos do pré escolar e 1º Ciclo assistiram com muito entusiasmo às divertidas peças: "A Carochinha" e "O Freguês Caloteiro".



Cientistas do passado, presente e futuro










Parabéns a todos pelas interessantes ilustrações inspiradas nos livros sobre Ciência existentes na biblioteca e pela brilhante imaginação de outros.


.
.

Filme do Mês de novembro


"A teoria de tudo" (The theory of everything).
Um filme de 2015 (2h 03min), realizado por James Marsh.

A extraordinária história de uma das mentes mais brilhantes do nosso tempo, o reconhecido astrofísico Stephen Hawking, e de duas pessoas que, por amor, desafiam todas as propabilidades.

Dia Nacional da Cultura Científica



Este dia foi criado em 1996 em Portugal. Foi escolhido o dia 24 de novembro para a sua celebração pois foi neste dia (em 1906) que nasceu Rómulo de Carvalho, o professor de Física e Química responsável pela promoção do ensino de ciência e da cultura científica em solo nacional.

Rómulo de Carvalho desenvolveu uma actividade de divulgação científica que marcou gerações em Portugal. Os seus livros de divulgação em Ciência e Tecnologia e os seus artigos em jornais revelavam a sua preocupação com o despertar do interesse dos portugueses pelo conhecimento científico.

A par desta actividade de divulgação, publicou, entre 1953 e 1975, diversos manuais de ensino da Física, da Química, e das Ciências da Natureza, que por várias vezes foram reeditados, tendo sido utilizados durante vários anos nos ensinos liceal e complementar.

Destaque também para os seus cadernos de iniciação científica, onde tratava temas da Física e da Química, e para a colecção de livros “Ciência para Gente Nova”, onde esclarecia os jovens sobre temas da Física e da Química.

(Instituto Camões)

Rómulo de Carvalho foi também poeta, sob o pseudónimo de António Gedeão.

A Biblioteca fez questão de assinalar este dia e de voltar a divulgar o livro da sua obra literária completa, incluíndo inéditos, poemas e narrativas da infância e da juventude, e a correspondência com Jorge de Sena.


Afirmando-se como um dos mais brilhantes e talentosos criadores lusófonos do século XX, Rómulo de Carvalho/António Gedeão, respectivamente, o professor, pedagogo e historiador da ciência, e o seu alter-ego literário, atravessou todas as convulsões e acontecimentos marcantes do nosso século, que se reflectiram no formar-se de um espírito extremamente marcado pelo cepticismo e pela ironia, sempre presentes nos seus poemas.





Livros novos na estante

A Biblioteca recebeu uma oferta da Maria José, funcionária da nossa Escola, que mais uma vez nos presenteou com livros para comemorar o dia Nacional do Livro, que se celebrou no dia 29 de Outubro.
A Biblioteca Escolar agradece a oferta.


O Dia Internacional da Ciência ...

 ... aproxima-se, e a biblioteca fez questão de divulgar o seu fundo documental para despertar curiosidade acerca do mundo que nos rodeia e criar interesse pela ciência.


E PORQUE É QUE A CIÊNCIA É IMPORTANTE PARA A NOSSA VIDA?

É um contributo inquestionável, na medida em que possibilita avanços nos campos da saúde, da alimentação, do ambiente, da tecnologia, da energia e muitos outros, melhorando a qualidade de vida das populações e enriquecendo as sociedades intelectual e culturalmente.

Ao responder a grandes perguntas e enfrentar desafios importantes do nosso quotidiano, a ciência cria conhecimento e melhora a educação e a qualidade de vida das pessoas, reduzindo desigualdades e construindo pontes.

Fonte: Comissão Nacional da UNESCO



"Imagina um mundo sem computadores e surpreende-te por os teus pais, quando tinham a tua idade, não saberem  o que isso era. 

Sabias que antes de Galileu se julgava que a terra era o centro do universo? 

Como seria a tua vida se não existissem aviões, cinema, eletricidade, televisão, rádio ou telefone? 

Nesta coleção apresentamos-te os homens que um dia, ao gritarem "Eureka! Eureka!", mudaram para sempre as nossas vidas."

-in, contra-capa dos livros da coleção "Eureka! Eureka!"


Ilustração da aluna Dana, que te convida a conhecer melhor estes cientistas e as descobertas que revolucionaram a vida da humanidade até aos dias de hoje.


Momentos de lazer - construíndo puzzles













Novos livros na BE

Partilha de obras que foram oferecidas à Biblioteca Municipal, vieram enriquecer  as competências da leitura e da informação.





Hora do Conto

"Hora do Conto" na  Biblioteca Escolar                  
 Em parceria com a Biblioteca Municipal Manuel Vicente Campinas, Assunção Constantino  voltou a proporcionar momentos especiais em mais uma sessão de conto. 

Os alunos do pré-escolar ouviram atentamente a história :Uma Noite de Natal



Uma Noite de Natal
"É véspera de Natal, e o Ratinho e o Ratão estão a fazer as decorações natalícias. Ao sair para apanhar azevinho, o Ratinho tem uma grande surpresa: grandes flocos brancos começam a cair do céu."

"Mas enquanto o mundo do Ratinho se vai cobrindo de neve, ele vai descobrindo muitas outras coisas estranhas à sua volta ..."

Texto:  Diane Hendry
Ilustração: Jane Chapman





As crianças têm o direito de ser crianças



"As crianças têm o direito de ser crianças enquanto são crianças. Por isso mesmo, têm o direito de não crescer depressa. E, apesar das expectativas dos seus pais, têm o direito de descobrir e de desenvolver o seu talento -natural! -para serem crianças. Devagar."

in Prefácio do livro "Os Direitos da Criança" de Luísa Ducla Soares, por Eduardo Sá
Ilustração de Sophie Blackall


.

Relaciona as responsabilidades com os direitos das crianças



A criança tem o direito … de ser protegida de conflitos, crueldade, exploração e negligência…
mas tem a responsabilidade… de não agredir, ameaçar, ferir ou maltratar os colegas.

A criança tem direito … a um Ambiente saudável na cidade, no campo, em casa, na escola …
mas tem a responsabilidade… de não sujar ou poluir, de limpar e arrumar, de separar os resíduos.

A criança tem direito … à educação, a frequentar a escola, a aprender, a conhecer o mundo…
mas tem a responsabilidade… de estudar, de se esforçar, de se empenhar, de ajudar os colegas com dificuldade de aprendizagem.


A criança tem direito … à liberdade de pensamento de religião…
mas tem a responsabilidade… de respeitar o pensamento e a religião das outras pessoas.

 A criança tem o direito …
de ser ouvida sobre assuntos do seu interesse…
mas tem a responsabilidade…
de ouvir as outras pessoas e tolerar as ideias diferentes.


A criança tem direito … a cuidados médicos adequados…
mas tem a responsabilidade… de cuidar do seu corpo (lavar-se, vestir-se).


A criança tem direito … a uma alimentação adequada…
mas tem a responsabilidade… de não desperdiçar comida.

 A criança tem direito … a ser amada e respeitada…
mas tem a responsabilidade… de mostrar amor e respeito pelos outros.
A criança especial tem direito … a cuidados especiais para as suas necessidades especiais…

e os que a rodeiam têm a responsabilidade… de mostrar respeito
e permitir a sua inclusão nas brincadeiras, jogos, atividades, estudo.
(retirado de Escolovar.org.)


Dia Universal dos Direitos da Criança



A 20 de novembro comemora-se um duplo aniversário que pretende alertar e sensibilizar para os direitos das crianças de todo o mundo: proclamação da Declaração dos Direitos da Criança(1959) e adoção da Convenção sobre os Direitos da Criança (1989), pela Assembleia Geral das Nações Unidas.
A Convenção assenta em quatro pilares fundamentais relacionados com todos os direitos das crianças (civis, políticos, económicos, sociais e culturais): a não discriminação, o interesse superior da criança, a sobrevivência e desenvolvimento e a opinião da criança.
dge.mec.pt

Ilustração de May Ann Licudine

Livros novos na estante

 As ofertas  feitas  à  Biblioteca  pelos Encarregados de Educação, Professores, Funcionários e amigos contribuíram para a aquisição destas novas leituras.

Obrigado a todos!
Votos de boas leituras.

"Ler é bom!"



ESCOLA: os piores anos da minha vida nº1 e nº2


"Rafe Khatchadorian já tem problemas suficientes em casa sem ter de meter a escola ao barulho. Felizmente, ele tem um plano perfeito para ter o melhor ano de sempre, isto é, se o conseguir levar para a frente. Vai tentar quebrar todas as regras do código de conduta da  sua escola."
O teorema katherine

O  Diário de um Banana











A Viúva e o Papagaio

Concurso Uma Aventura Literária 2019




Afixado, na biblioteca, o cartaz com as modalidades e respetivos livros para o concurso.


Maratona de Cartas 2018 - em defesa dos Direitos Humanos


A Maratona de Cartas é o maior evento de Direitos Humanos organizado pela Amnistia Internacional.

Sensivelmente durante o último trimestre de cada ano, mobilizamos milhões de pessoas em todo o mundo para assinar e enviar cartas em prol de pessoas e comunidades em risco.
No fundo, pessoas comuns que aceitam continuar a longa tradição de escrita  e assinatura de cartas, para corrigir algumas das maiores injustiças.
Com a Maratona sensibilizamos para um conjunto de casos selecionados, o que poderá resultar numa melhoria das condições de vida para os defensores de direitos humanos. 
Em 2017 voltou a bater recordes de participação nacional e internacional:  Portugal enviou  308 750 assinaturas. Contabilizaram-se mais de 5 milhões de apelos, oriundos de cerca de 70 países diferentes.
A Maratona de Cartas irá decorrer de 1 de novembro até 31 de janeiro.



Um grupo de alunos de Educação Moral e Religiosa, sob a orientação do professor Farinha, trabalharam o tema na biblioteca.



Conhece aqui os ativistas/casos de 2018

Porquê participar na Maratona de Cartas?
Um pouco por todo o mundo, a liberdade para nos manifestarmos contra a injustiça, a liberdade para vivemos em terras que nos pertencem há gerações, a liberdade para defendermos o ambiente ou para nos manifestarmos contra a discriminação encontra-se ameaçada. As nossas cartas, as nossas palavras e ações irão fazer pressão para que que as autoridades atuem imediatamente e para que todos os que abusam de direitos humanos sejam apresentados à justiça.
Quem pode participar?
Qualquer pessoa pode participar. Escrever ou assinar um dos nossos apelos não tem limite de idade mínimo ou máximo. Disponibilizamos toda a informação sobre os casos para que todas as assinaturas sejam feitas com total conhecimento do caso em questão. Todos os anos contamos com a participação de milhares de pessoas que, em Portugal e no mundo, atuam. Desde escolas a empresas, desde universidades a jantares de família, desde cafés, museus ou à espera dos transportes, qualquer lugar é perfeito para que se assine uma carta.
https://www.amnistia.pt/euassino/