Novos livros na estante



Livro em banda desenhada.

autor: Miguel Peres
ilustrador: Jhion (João Amaral)
Edições ASA, 2012
"Angola, 1961. Um grupo de rebeldes ataca uma fazenda. Os donos são mortos, mas a filha consegue escapar...

1963. Chegamos a Angola. Somos um contingente militar formado na sua maioria por jovens inexperientes. A guerra amedronta-nos. A nossa missão é encontramos a rapariga desaparecida em 61...

1966. O inesperado acontece... Afinal, qual o porquê de tantos anos perdidos na busca de uma única pessoa?"

"Com desenho de Jhion (João Amaral), esta obra, que marca a estreia de Miguel Peres como argumentista, relata-nos de forma ficcional episódios rocambolescos que nos abrem perspectivas imaginárias da guerra colonial angolana."

(contra-capa do livro)



25 de Abril

.
Beatriz Ramos, 7º ano
Naturalmente que já ouviste falar no 25 de Abril de 1974, mas provavelmente não conheces as coisas como os teus pais ou os teus avós que viveram nesta época. 
Sabias que o golpe de estado do 25 de Abril de 1974 ficou conhecido para sempre como a "Revolução dos Cravos"? 


Diz-se que foi uma revolução porque a política do nosso País se alterou completamente.

Mas como não houve a violência habitual das revoluções (manchada de sangue inocente), o povo ofereceu flores (cravos) aos militares que os puseram nos canos das armas. Em vez de balas, que matam, havia flores por todo o lado, significando o renascer da vida e a mudança! 



O povo português fez este golpe de estado porque não estava contente com o governo de Marcelo Caetano, que seguiu a política de Salazar (o Estado Novo), que era uma ditadura. Esta forma de governo sem liberdade durou cerca de 48 anos! 

Enquanto os outros países da Europa avançavam e progrediam em democracia, o regime português mantinha o nosso país atrasado e fechado a novas ideias.

Sabias que em Portugal a escola só era obrigatória até à 4ª classe? Era complicado continuar a estudar depois disso. E sabias que os professores podiam dar castigos mais severos aos seus alunos? 

Todos os homens eram obrigados a ir à tropa (na altura estava a acontecer a Guerra Colonial) e a censura, conhecida como "lápis azul", é que escolhia o que as pessoas liam, viam e ouviam nos jornais, na rádio e na televisão. 

Abril Neto, 7º ano


Antes do 25 de Abril, todos se mostravam descontentes, mas não podiam dizê-lo abertamente e as manifestações dos estudantes deram muitas preocupações ao governo. Os estudantes queriam que todos pudessem aceder igualmente ao ensino, liberdade de expressão e o fim da Guerra Colonial, que consideravam inútil.

(junior.te.pt)

Novos livros na estante


"Prometo falhar"
autor: Pedro Chagas Freitas


Sinopse 
Prometo Falhar é um livro de amor.
O amor dos amantes, o amor dos amigos, o amor da mãe pelo filho, do filho pela mãe, pelo pai, o amor que abala, que toca, que arrebata, que emociona, que descobre e encobre, que fere e cura, que prende e liberta.
O amor.

No seu estilo intimista, quase que sussurrado ao ouvido, Pedro Chagas Freitas leva o leitor aos estratos mais profundos do que sente. E promete não deixar pedra sobre pedra.
Mergulhe de cabeça numa obra que mostra sem margem para equívocos porque é que é possível sair ileso de tudo.
Menos do amor.

(Fnac)



Novos livros na estante


"O menino Nicolau e os amigos"
Autores: Goscinny e Sempé

O menino Nicolau vai acampar com o Joaquim, o Eudes e o Godofredo. Mais fantásticas aventuras passadas em casa, na escola, na rua e na casa dos seus amigos onde até há magia.

É de tudo isto que nos fala este livro, criado por dois grandes autores: Sempé (um dos mais notáveis desenhadores humorísticos franceses e "pai" do menino Nicolau) e Goscinny (autor do texto das bandas desenhadas com a figura de Artérix.
(in, contracapa do livro)

Novos livros na estante


Coleção: "As miúdas de Gallagher"
autor: Ally Carter

O Colégio Gallagher (para Raparigas Excecionais) parece, à primeira vista, uma escola típica, onde as adolescentes se  preocupam em combinar a cor da mala com o top que vão usar, e suspiram quando um professor giro lhes sorri.
Isso até é verdade, mas o que o comum dos mortais desconhece é que nas suas malas levam câmaras ocultas e o tal professor giro dá aulas de Preparação para Missões Secretas. O Colégio garante que forma os maiores génios do país, mas na realidade é a melhor e mais conceituada escola de espias e agentes secretas. 

Novos livros na estante


Autor: Tim Collins
Coleção Vampiro banana

Nigel Mullet é o primeiro vampiro banana da História: fracote, desajeitado e pouco popular na sua escola. Transformado aos 15 anos, o Nigel vai permanecer com esta idade para sempre, obrigado a lidar com os eternos problemas da adolescência: acne, voz de valsete e total falta de jeito para as raparigas.

Para leitores adolescentes mais velhos que os leitores d'O Diário de um Banana, O Diário de um Tótó e O Diário de uma Tansa, este livro é uma paródia que combina o misterioso mundo vampírico com as típicas crises da adolescência de qualquer comum mortal.
(Booksmile)


Oferta


Livros oferecidos à biblioteca pela nossa querida aluna Keshi, à qual muito agradecemos.

Revista National Geographic - Abril

Disponível na biblioteca.



"Nesta edição, olhamos para o futuro e para a reconfiguração do ser humano. O salto tecnológico das últimas décadas transformou os limites que conhecíamos. No tema de capa deste mês, analisamos a ciência e as novas fronteiras da genética e da bioética.
Apaixonados pelos grandes felinos do planeta, temos tendência a esquecer os pequenos. Invisíveis, recebem muito menos atenção, financiamento para a sua conservação e, em última instância, estão mais ameaçados do que os seus primos de maior dimensão.
As alterações climáticas produziram uma curiosa repercussão na arqueologia das latitudes altas. Locais habitualmente congelados e cobertos por um manto espesso de neve estão agora mais visíveis. E revelam, sobretudo na América do Norte, pistas impressionantes sobre culturas humanas que lá viveram.
Com missões no Uganda, na Bósnia e Herzegovina e na Índia, duas repórteres da National Geographic procuraram explicar o drama das 
viúvas. Em muitas culturas, enviuvar não implica apenas perder o cônjuge amado – implica uma espiral de perda de bens, perseguição e humilhação. Esta será seguramente uma das reportagens do ano.

Em Portugal, acompanhámos os esforços das equipas de cientistas e empresários que procuram identificar as doenças da pedra. Leu bem: a rocha também adoece, como ficará a saber na edição deste mês."
(National Geographic Portugal)

11ª Edição Concurso Nacional de Leitura- 2ª Fase






A prova, a nível regional, realizar-se-à na Biblioteca Municipal de Olhão, dia 9 de maio.
Nesta fase serão apurados os vencedores no país e nas escolas portuguesas no estrangeiro.




As obras a ler são:

"Diário de um adolescente na Lisboa de 1910", Alice Vieira
"Trash - Os rapazes do lixo", Andy Mulligan

Livros novos na estante



"Diário de um adolescente na Lisboa de 1910"
Alice Vieira

Sinopse
Joaquim José é um jovem lisboeta de 14 anos em 1910.Pai republicano, avó monárquica, criada com namorado da Carbonária e aluno de um dos homens que mataram D. Carlos e D. Luís Filipe, facilmente se compreende a confusão que vai na sua cabeça. 
O seu diário é o registo bem-humorado desses dias de sobressalto que vão dar ao 5 de Outubro.




"Trash- Os rapazes do lixo"
Andy Mulligan

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para o 3º ciclo, destinado a leitura autónoma.





Sinopse
Num país do terceiro mundo, num futuro não muito distante, três rapazes tentam sobreviver nas montanhas de lixo nos subúrbios de uma metrópole. Num dia de sorte e azar, Raphael encontra algo muito especial e misterioso. Tão misterioso que decide guardar, mesmo que a polícia da cidade ofereça uma bela recompensa pela sua devolução. Essa decisão traz terríveis consequências, e em breve os rapazes do lixo vão ter de usar toda a sua astúcia e coragem para escapar aos seus perseguidores. Trash - Os Rapazes do Lixo é um romance policial para leitores jovens, cuja leitura será interessante para os menos jovens, igualmente. Publicado em mais de quinze países, este é um livro sobre como a esperança e a determinação podem transcender até a pobreza mais indigna.

.

Os ovos da Páscoa



      il. Virpi Pekkalan



    Muito antes de ser uma festa cristã, o que se celebrava no momento da Páscoa era o anúncio do fim do Inverno e a chegada da Primavera.

    Para os antigos, festejar a Primavera (tal como a Páscoa) sempre representou a alegria da passagem de um tempo escuro e triste para um mundo iluminado, de vida nova na Natureza. Era uma espécie de renascer.

    A palavra "páscoa" vem do hebreu "pessah" e significa "passagem", "mudança", refere-se ao êxodo (saída) do Egipto de Moisés.

    Nesta estação do ano, os antigos povos pagãos europeus homenageavam Ostera, ou Esther (em inglês, Easter quer dizer Páscoa, e em alemão é Oster).
    Ostera era a Deusa da Primavera, que segurava um ovo na mão. A deusa e o ovo eram símbolos da chegada de uma nova vida.

    Ostara equivale, na mitologia grega, a Perséfone. Na mitologia romana, era Ceres. O nome de menina Ester também está relacionado, claro.

    Estes antigos povos comemoravam a chegada da Primavera decorando ovos. Mas o costume de os decorar para dar de presente na Páscoa surgiu na Inglaterra, no século X.
    O rei Eduardo I tinha o hábito de banhar ovos em ouro e oferecê-los aos seus amigos e aliados.
    Acreditava-se que receber ovos pintados trazia boa sorte, fertilidade, amor e fortuna.

Trabalhos da Páscoa


Trabalhos elaborados pelos alunos das AECs - Atividades de Enriquecimento Curricular.

Coordenação da professora Teresa Sequeira.



Exposição de trabalhos - 1º Ciclo


 "Noite Estrelada"

Expressão e Educação Plástica
Coadjuvação - turma 2ºA


Técnica: pastel de óleo
Coordenação do professor Rui Lobo


Pintura

Autor: Vicente Van Gogh
Data: 1889
Técnica: Óleo em tela
Dimensões: 73,7cm x 92,1 cm
Localização: Museu de Arte Moderna, Nova York 





Noite Estrelada é uma das obras mais conhecidas de Vincent Van Gogh. O quadro foi pintado quando ele tinha 37 anos e estava internado num asilo em Saint-Rémy-de-Provence (1889-1890). A obra encontra-se actualmente na colecção permanente do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque.

Ao contrário de muitas das suas obras,  Noite Estrelada foi pintada de memória, e não a partir da vista correspondente de uma paisagem. Durante ao tempo em que esteve no asilo, Van Gogh  dedicou-se a pintar as paisagens da região da Provence.

A paisagem retratada mistura o real com imagens da sua memória, com uma igreja tipicamente holandesa. É notável o contraste entre a calma da pequena vila representada e o caos celestial. Os ciprestes são o elo de ligação entre a terra e o céu. A obra é dividida no plano horizontal pela linha do horizonte e no plano vertical pelo cipreste. O povoado longínquo, de pequenas casas, contrasta fortemente com o cipreste em primeiro plano que se destaca e ajuda ao equilíbrio da composição As pinceladas são curvilíneas, e integram-se de maneira rítmica sobre a superfície da pintura. Estrelas brilhantes pulsam como mini-sóis. Ondas luminosas cortam o centro da tela, parecem ter vida própria. No canto superior direito, chama a atenção a lua que ganhou feições de um sol que transforma em quase dia. Enquanto isso, o vilarejo, com a sua igreja de torre alta, parece adormecer alheio ao céu estrelado cheio de explosões emotivas de Van Gogh. 
A pintura foi a inspiração para a canção  de Don McLean, "Vincent", que é também conhecida como "Starry Night".

in, Estórias da História.pt


Exposição de Trabalhos - 1º ciclo


"Noite Estrelada"
Expressão e Educação Plástica
Coadjuvação turma 2ºB


Técnica: desenho a carvão

Coordenação do professor Rui Lobo.


Boas Férias

Rodrigo Afonso

Semana da Leitura Ilustrada

Beatriz Martins

Maria Rosa

"A leitura é uma das capacidades mais importantes do ser humano. Indispensável em qualquer actividade, é uma das principais condições de autonomia e sucesso na vida. Por isso, quem aprende a ler bem todo o tipo de textos adquire um valor seguro que nunca mais irá perder" (...)
in site do Plano Nacional de Leitura

Entrega de Prémios e Diplomas




Na entrega de Prémios e Diplomas aos alunos e funcionários (categoria de adultos no Concurso de quadras de S. Martinho), vencedores de concursos promovidos pela biblioteca, estiveram presentes o diretor do agrupamento, professor Vitor Junqueira, a coordenadora do estabelecimento, professora Ana Xavier e a coordenadora da biblioteca, professora Filomena Andrade.

A equipa da biblioteca agradece a todos os que se empenharam e envolveram nas atividades.




Ao aluno Luís Parra foi prestado um sincero agradecimento pela amizade e generosidade para com a biblioteca através da oferta que fez de material de papelaria.  










Cinema na BE


"As aventuras de Tintim: O segredo do Licorne".

Um filme americano de 2011, realizado por Steven Spielberg, baseado na banda desenhada criada  pelo autor belga, Hergé. 



"O principezinho", Mark Osborne, 2015.

Um filme de animação produzido pela Onyx Films realizado por Mark Osborne.
O argumento é baseado numa das mais importantes obras infantis de todos os tempos, escrita pelo ilustrador e piloto francês Antoine de Saint-Exupéry (1900-1944) e publicada, pela primeira vez, em 1943.

Na versão dobrada em português, as vozes são de Rita Blanco, Paulo Pires, Joana Ribeiro, Rui Mendes e Francisco Monteiro, entre outros.
(Público)

Assistiram aos filmes turmas do 6º ano.