Holocausto - Exposição de Trabalhos


Os trabalhos elaborados pelos alunos do 9º Ano na disciplina de História, com a coordenação da Professora Lurdes Moedas, encontram-se em exposição no átrio da escola.

Esta iniciativa pretende preservar a memória do trágico acontecimento, sensibilizando a memória das novas gerações para a dimensão e consequências do genocídio por forma a que estes acontecimentos não se repitam.




O Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto comemora-se no dia 27 de janeiro e foi criado pela Assembleia Geral das Nações Unidas através da Resolução 60/7 de 1 de novembro de 2005.
O Parlamento Europeu estabeleceu também o dia 27 de janeiro como Dia Europeu de Memória do Holocausto.


Dia Internacional em memória das vítimas do Holocausto



"LEMBRAR PARA NÃO REPETIR"

A palavra holocausto deriva da combinação de dois termos gregos, holo (todo) e caustos (queimado).
Originalmente, como ainda hoje, designava um ritual religioso onde uma oferenda era consumida pelo fogo. Entre os judeus, essa oferenda era um animal, normalmente um ovino. 

Nos tempos modernos a palavra holocausto é utilizada para identificar um devastador desastre humano: a palavra identifica, assim, a perseguição e extermínio sistemático de judeus e de outras minorias como ciganos, homossexuais, deficientes físicos e mentais, opositores políticos e religiosos do regime nazista alemão, prisioneiros soviéticos de guerra, civis soviéticos e poloneses, além de outros grupos marginalizados pela Alemanha Nazi durante o conflito.

Um dos princípios fundamentais do nazismo era o racismo. Segundo essa ideologia, os alemães pertenciam a uma raça superior, a ariana, que sem se misturar a outras raças, deveria comandar o mundo. Os judeus eram considerados os seus principais inimigos.

Os judeus foram as principais vítimas  dos ideólogos nazistas, que os responsabilizavam pelo caos em que a Alemanha vivia depois da Primeira Guerra Mundial e dos tratados de paz. Além disso, Hitler e seus seguidores defendiam a tese de que os judeus eram de uma raça inferior e deviam ser eliminados.





Fontes:
https://www.infopedia.pt/$holocausto
http://hgcavert.blogspot.pt/2016_01_01_archive.html
imagens do Google

A lista de Schindler - Filme

27 de janeiro - Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto

Os alunos do 9º Ano, acompanhados pela sua Professora de História, Lurdes Moedas, assistiram ao filme de Steven Spilberg sobre Oskar Schindler, um empresário alemão que salvou a vida de mais de mil judeus durante o Holocausto, rodado em 1993.





   


FICHA TÉCNICA
Título original: Schindler´s List
Direção: Steven Spielberg
Ano: 1993
Gênero: Drama / Guerra
Duração: 197 min / EUA: 194 min
País: Estados Unidos
Língua: Inglês / Hebraico / Alemão / Polonês
Cor: Preto & Branco / Colorido (DeLuxe)
Som: DTS / Dolby
Classificação: 14 anos






"Que motivos levaram uma nação que foi berço dos maiores filósofos e músicos da história a se render a uma ideologia que pregava o ódio e a intolerância? Como podem as diferenças entre seres humanos tornarem-se desculpas para que atos bárbaros sejam cometidos? O que leva uma pessoa aparentemente normal a matar a sangue-frio um semelhante seu como se fosse um inseto?
Não era o objetivo do diretor Steven Spielberg responder a essas perguntas, mas é impossível não formulá-las ao final de ''A Lista de Schindler'', filme que finalmente deu ao cineasta por trás da série ''Indiana Jones'' e ''Tubarão'' o status de diretor sério.
Filmado em preto e branco para, segundo Spielberg, deixar o filme menos insuportável devido à violência gráfica de algumas cenas, ''A Lista de Schindler'' é construído sobre um ótimo roteiro de Steven Zaillian que mostra com tintas extremamente realistas a perseguição aos judeus na Polônia e sua recolocação no Gueto de Cracóvia, em 1941, onde famílias inteiras eram amontoadas em pequenos quartos, até a transferência de todos para o infame campo de concentração comandado pelo sociopata Amon Goeth (Ralph Fiennes, em sua estréia no cinema).
É impossível não se emocionar com o poder das imagens dirigidas com surpreendente comedimento por Spielberg e captadas magistralmente pela câmera de Janusz Kaminski. As cenas de mulheres, homens e crianças sendo friamente assassinados com tiros na cabeça são de uma crueza insuportável, mas nunca apelativas ou redundantes.
Mas o que difere ''A Lista de Schindler'' de tantos outros filmes sobre o Holocausto Nazista é o caráter profundamente humano e realista que os realizadores conseguiram imprimir à obra, até mesmo ao retratar o monstruoso líder do campo de concentração, Goeth."
(http://alistadeschindler.com/Filme)

"Sabias que..." 100 curiosidades,100 verdades - Pordata Kids


Todos os dias, na biblioteca, durante um intervalo, um aluno diferente lê em voz alta uma nova curiosidade estatística sobre a sociedade em que vivemos, com 10 diferentes temas:  Ambiente; Ciência e Tecnologia; Cultura e Desporto, Educação; Emprego; Famílias; Justiça; População; Saúde e Turismo. 
 A seguir é colada no poster, na zona da sua cor respectiva. 

"Porque as estatísticas não devem ser pensadas como um assunto exclusivo dos crescidos e porque é nas idades mais jovens que tudo começa." Pordata Kids




Melhores Leitores- 1º Período


1º Ciclo

Adriana Raquel S.
Fatima K.
Daria V.

Rodrigo V.

2º Ciclo

Alice Cristina N.
Luka B.
Beatriz D.

3º Ciclo

Elise S.
Bernardo J.
Neuza D.
Bárbara S.





1º Ciclo - Requisição de Leituras


Puzzle - Passatempo


.


                                                         
Mais um puzzle concluído na biblioteca com a colaboração de muitos alunos aficionados.


"António Aleixo: Poeta do Povo" - Exposição



Através da consulta dos respetivos painéis, os alunos do 3º Ciclo, acompanhados dos seus professores,  têm vindo a conhecer melhor a vida e obra do grandioso poeta nascido no concelho.

Uma articulação curricular entre a Biblioteca Escolar e as disciplinas de Português e Educação para a Cidadania.



Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Leitura 2016-2017


Alunos Apurados para a 2ª Fase

Luís P. - 9ºD
Diogo L. - 9ºD
Rui C. - 9ºD

Alunos Suplentes

Roberto R. - 9ºE
Carlota B. -  9ºE

O obetivo central deste concurso é estimular o treino da leitura e desenvolver competências de expressão escrita e oral junto dos alunos do 3º Ciclo e Secundário. 

Regulamento

Eleições - Associação de Estudantes



Decorreram hoje, ao longo do dia, as eleições para a Associação de Estudantes do Agrupamento.
Participativos e entusiasmados, os alunos elegeram o seu órgão representativo na vida escolar.


«Conta lá!» - Hora do Conto


"Queridos livros" da autora Ana Faria
 
Uma história sobre a importância que os livros têm para o estímulo da imaginação e da criatividade nas crianças.

 Livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para o 4º ano de escolaridade, destinado a leitura autónoma.
 

Mais um momento especial proporcionado pela Biblioteca Municipal Vicente Campinas, contemplando as turmas do 3º e 4º Anos.
 
 

O futuro Museu Aristides de Sousa Mendes






O cônsul de Portugal em Bordéus pôs a salvo 30 mil pessoas que fugiam à II Guerra Mundial e ao holocausto, passando vistos para a sua saída do país, contra as ordens de Salazar.
 Muitos destes refugiados estiveram albergados na sua casa em Cabanas de Viriato, a 30 quilómetros de Viseu. Na Casa do Passal  encontraram hospitalidade e aí aguardaram a partida para outros países. Nesse espaço viveu o cônsul de Bordéus até ao final da sua vida, repousando no cemitério local. 
Durante anos o edifício esteve abandonado.


Em 2000 foi criada a Fundação Aristides de Sousa Mendes e, com os primeiros fundos, em 2001, a casa foi adquirida com o apoio financeiro do Ministério dos Negócios Estrangeiros a fim de ser recuperada e reclassificada como Casa-Museu. 
A criação da Fundação foi essencial para representar a sua memória. 

Uma década mais tarde, o edifício foi classificado como Monumento Nacional pela importância reconhecida ao espaço, por causa da história do homem que ali habitou e não tanto pela sua relevância arquitetónica.


Em abril  de 2014, um movimento de cidadãos realizou um cordão humano para "salvar da ruína" a Casa do Passal. Uma iniciativa que surgiu para "acordar consciências" recordando que "a Casa do Passal continua a desmoronar-se com o tempo".


A Casa do Passal foi então alvo da primeira fase de obras, que visaram a sustentabilidade da estrutura e do telhado, concluídas em 2015.

Até 2018 prevê-se que seja feita a recuperação do seu interior e a sua musealização.
Depois de reabilitada, a casa irá conter o espólio do cônsul que a Fundação tem estado a recolher e irá dar uma particular atenção à questão dos direitos humanos e à história das perseguições durante a II Guerra Mundial.

Fontes: 
http://sol.sapo.pt/artigo/102761/cordao-humano-para-salvar-a-casa-de-aristides-de-sousa-mendes
http://aristidesdesousamendesea.blogspot.pt/2007_05_06_archive.htmlhttps://www.publico.pt/2014/04/03/sociedade/noticia/aristides-de-sousa-mendes-60-anos-depois-1630736
http://www.asbeiras.pt/2015/12/casa-de-aristides-sousa-mendes-em-cabanas-de-viriato-conquista-reconhecimento-internacional/
http://ensina.rtp.pt/artigo/a-casa-de-aristides-de-sousa-mendes/
Fotos retiradas do Google


Personalidade em Destaque





            Aristides de Sousa Mendes

" À medida que crescia na Europa o Nazismo, crescia também o número de refugiados, sobretudo judeus. Muitos deles escolheram Bordéus, então sob o governo de Vichy, como destino temporário. Aí, Sousa Mendes, contrariando instruções formais recebidas, concedeu milhares de vistos – julga-se que cerca de 30 000 - a judeus que procuravam escapar ao extermínio nazi."

                             





"Diplomata e político português, filho de Maria Angelina Ribeiro de Abranches e do juiz José de Sousa Mendes, nasceu a 19 de julho de 1885, em Cabanas de Viriato, concelho de Carregal do Sal, no distrito de Viseu. 

Cursou Direito na Universidade de Coimbra e, tal como o seu irmão gémeo César, após a licenciatura, em 1907, acabou por seguir a carreira diplomática. 


Em 1910, foi nomeado cônsul de 2.a classe na Guiana Britânica, passando depois a exercer funções em Zanzibar, onde ganhou muito prestígio.

Aqui, juntamente com Angelina de Sousa Mendes, sua esposa e mãe dos seus 14 filhos, sofreu alguns reveses de saúde, agravados sobretudo pelo clima paludial daquela zona africana. Tendo solicitado várias vezes a sua transferência acabaria por ver atendidos os seus desejos em fevereiro de 1918, altura em que foi nomeado para desempenhar o mesmo cargo em Curitiba, no Brasil. 

Ainda nesse ano, em plena ditadura de Sidónio Pais, foi promovido a cônsul de 1.a classe. Porém, devido às suas convicções monárquicas e antirrepublicanas, veria, em 1919, as suas funções serem suspensas – um despacho ministerial colocava-o no estado de disponibilidade, situação que geralmente significava inação ou, eventualmente, a atribuição de um serviço irregular que implicava sempre uma perda considerável do vencimento. Em meados de 1921 foi convidado a dirigir temporariamente o consulado em S. Francisco, na Califórnia. Os dois anos aqui passados terão contribuído, devido ao elevado custo de vida americano e simultaneamente à redução salarial a que tinha sido sujeito, para o estado precário da sua situação financeira.

Foi solicitado mais do que uma vez para voltar ao Brasil até que, em 1926, uma portaria obrigou-o a regressar a Lisboa para prestar serviço na Direção-Geral dos Negócios Comerciais e Consulares. Com o golpe de Estado de 28 de maio de 1926, Sousa Mendes foi nomeado cônsul em Vigo. Apoiando e servindo desde o seu início o regime ditatorial, recebeu várias vezes louvores de Salazar.

 Todavia, com o afastamento do irmão do cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros, Sousa Mendes ficou revoltado com o governo, não entendendo a "duplicidade, a deslealdade e a intriga que caracterizavam o funcionamento interno do Palácio das Necessidades"

 De 1931 a 1938 foi cônsul em Antuérpia, sendo então transferido, mal-grado seu, para Bordéus. No entanto, foi devido a esta transferência que Aristides de Sousa Mendes viria a desempenhar o papel público mais importante da sua vida.


À medida que crescia na Europa o Nazismo, crescia também o número de refugiados, sobretudo judeus. Muitos deles escolheram Bordéus, então sob o governo de Vichy, como destino temporário. Aí, Sousa Mendes, contrariando instruções formais recebidas, concedeu milhares de vistos – julga-se que cerca de 30 000 - a judeus que procuravam escapar ao extermínio nazi.

 Chegou mesmo a albergar refugiados na sua casa em Bordéus e na sua residência de Cabanas de Viriato. Estas atitudes desagradaram muito a Salazar, que o destituiu em 1940. Sousa Mendes ainda apelou para o Supremo Tribunal Administrativo e para a Assembleia Nacional, mas de nada lhe valeu.

Em Bordéus, porém, foi-lhe erguida, em 1994, uma estátua.

 Morreu em abril de 1954, no Hospital da Ordem Terceira, em Lisboa, só e com imensas dificuldades financeiras.

https://www.infopedia.pt/$aristides-de-sousa-mendes




Concurso Nacional de Leitura 2017 - 1ª Fase

Prova a realizar na biblioteca no dia 18 de janeiro, 4ª feira, às 14 horas.


A prova avaliará a prática de leitura das obras literárias seleccionadas.
A estrutura da prova escrita, de caráter eliminatório, é composta por um questionário de escolha múltipla e por comentários pessoais. A sua duração é de 50 minutos.

Obras: "A aia" conto de Eça de Queiróz
            "Vicente" conto de Miguel Torga

Novidade: Podes ler os dois contos através de um tablet na biblioteca.


.

Visão Junior - janeiro

À disposição na biblioteca.



AS MELHORES INVENÇÕES DE 2016

Conhece as 10 invenções mais loucas e imaginativas do ano que agora terminou.


TESTE: O 1.º PERÍODO CORREU MAL, E AGORA?

Não tiveste as notas que querias? Ainda estás a tempo de melhorar. Percebe como, fazendo o nosso teste.


COMO PENSAM  OS COMPUTADORES

De certeza que não imaginas a tua vida sem um computador. Serve para te ajudar nos projetos da escola, para falares com os teus amigos, para guardares os teus vídeos. Mas sabes como é que tudo isto funciona?

FACTOS LOUCOS

Curiosidades malucas sobre animais, Natureza e outras coisas

ANIMAIS: O GOLFINHO DO DENTE MISTERIOSO

Há nos mares do Norte um animal que exibe um "corno" em espiral, como o unicórnio. Não é uma lenda, é mesmo real e chama-se narval.

PERGUNTAS

Porque dizemos OK?

UM PORTUGUÊS À FRENTE  DAS NAÇÕES UNIDAS

A partir deste mês, e nos próximos cinco anos, António Guterres lidera a mais importante organização política mundial. Descobre quem ele é e o que vai fazer

RECORDES DE PAÍSES

Sabes qual é o país mais feliz do mundo? Lê VISÃO Júnior e descobre!

OS MISTÉRIOS DO ESPAÇO

Os astrofísicos do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço respondem às perguntas que os nossos leitores fizeram. Por exemplo: porque é que as galáxias maiores engolem as mais pequenas?
E MUITOS OUTROS ASSUNTOS...
http://visao.sapo.pt/visaojunior/revista/2017-01-04-Visao-Junior-de-janeiro



Oferta à BE


Agradecemos aos irmãos Madeira, nossos alunos, e aos respetivos encarregados de educação, a oferta deste precioso puzzle.

Uma forma de entretenimento que tem vindo a ganhar adeptos, nos tempos livres na biblioteca.

.

António Aleixo - Obra existente na BE


"António Aleixo foi um homem bom, digno, fiel às suas raízes, sensível, intuitivo, inteligente e sábio, de um "saber de experiência feito".
A sua vida, cheia de dificuldades, sofrimento e aflições, apurou a sua inclinação natural à justiça, a sua indignação contra o que está mal, o seu sentido de fraternidade e de solidariedade. Foi um homemque viveu e reflectiu intensamente, que observou, escutou e aprendeu com uma perspicácia e uma grandeza extraordinárias.

A obra poética que nos legou reflecte estas mesmas qualidades. De poesia popular se trata, se por poesia popular se entender aquela que capta os ritmos da oralidade, a música das canções tradicionais e das falas, dos provérbios, dos aforismos e dos ditos, em que cristaliza a sabedoria popular.

Mas é poesia que, apesar da sua aparente singileza, tem uma complexidade e uma profundidade notáveis.

Os versos de António Aleixo transmitem, de facto, uma filosofia de vida e uma experiência do Mundo, expressas com os recursos e os instrumentos culturais de que ele dispunha." (...)

Jorge Sampaio

Contra capa do livro "António Aleixo: o poeta do povo" de António de Sousa Duarte


António Aleixo - Exposição Itinerante


"António Aleixo: Poeta do Povo" 

Através da consulta dos respetivos painéis, os alunos do 3º Ciclo têm vindo a conhecer melhor a vida e obra do grandioso poeta nascido no concelho.

Uma articulação curricular entre a Biblioteca Escolar e as disciplinas de Português e Educação para a Cidadania.


 
 



Um agradecimento especial ao Gonçalo e Daniel por terem sido tão prestáveis aquando da montagem dos painéis.

Oferta de material


A equipa da biblioteca agradece ao aluno Luís Parra, aluno do 9º Ano, a oferta de parte dos materiais adquiridos através do Prémio de Mérito e Excelência que lhe foi atribuído pela escola no princípio do presente ano letivo. Uma distinção que premeia e contempla anualmente aos melhores alunos.

A biblioteca e os seus utilizadores agradecem o gesto simpático e generoso do aluno, desejando-lhe a continuação de um bom rumo nos seus estudos e projetos.

Novos livros na estante


"O senhor do seu nariz e outras histórias"

Autor: Álvaro Magalhães
Ilustrador: João Fazenda

Um conjunto de cinco contos encantadores e divertidos, que também nos deixam a pensar.

Obra recomendada pelas Metas Curriculares de Português para o 3º Ano de Escolaridade.




"Um perito em busca da verdade"

Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada
Ilustrações de Carlos Marques