Primavera

ilustração, Isaura Martins
 
 
"Olhos postos na terra, tu virás
no ritmo da própria Primavera,
e como as flores e os animais
abrirás as mãos de quem te espera."


Eugénio de Andrade
 
 
.

O Ovo da Páscoa


ilustração Dora Azevedo

 
O ovo é um daqueles símbolos que se explica por si mesmo. 
Contém o fruto da vida, que representa o nascimento e a renovação. De uma forma simples, podemos dizer que é o símbolo da vida.

Os celtas, gregos, egípcios, fenícios, chineses e muitas outras civilizações acreditavam que o mundo nasceu de um ovo.
Na maioria das tradições, este "ovo cósmico" aparece depois de um período de caos.


Na Índia, por exemplo, acredita-se que uma gansa chamada Hamsa (um espírito considerado o "sopro divino") chocou o ovo cósmico e, daí, dividido em duas partes, o ovo deu origem ao céu e à terra (o céu seria a clara do ovo e a terra a gema).

O mito do ovo cósmico aparece também nas tradições chinesas.


Antes do surgimento do mundo, quando tudo ainda era caos, um ovo semelhante ao de galinha abriu-se e, dos seus elementos pesados, surgiu a terra (Yin) e, da sua parte leve e pura, nasceu o céu (Yang).
 

Há vários séculos os orientais preocupavam-se em embrulhar os ovos naturais com cascas de cebola e cozinhavam-nos com beterraba. Ao retirá-los do fogo, ficavam com desenhos mosqueados na casca. Os ovos eram dados como presentes na Festa da Primavera.


Para os celtas, o ovo cósmico é parecido com o ovo de uma serpente.
Para eles, o ovo representava
o Universo: a gema era o globo terrestre, a clara o firmamento e a atmosfera, e a casca equivalia à esfera celeste e aos astros.


Na tradição cristã, o ovo aparece como uma renovação periódica da Natureza.
 

Em muitos países europeus, ainda hoje há a crença de que comer ovos no Domingo de Páscoa traz saúde e sorte durante o resto do ano (ora vejam os folares da Páscoa!).
E mais: um ovo posto na sexta-feira santa afasta as doenças!

(Junior.PT)

.

Oficina Artística da Páscoa

Criações produzidas na Oficina pelos alunos do 7º ano decoraram a biblioteca por estes dias.
 

 




Partilha de Leituras

 
No âmbito da comemoração da Semana da Leitura, os alunos das turmas 7ºE e 7ºF, acompanhados pelas suas professoras de Língua Portuguesa, Ângela Cruz e Paula Lopes, apresentaram aos colegas alguns livros que gostaram de ler, partilhado as suas histórias e emoções.
Momentos solenes à volta do mundo maravilhoso e contagiante dos livros.
 
E um livro leva a outro, e novos caminhos, novas ideias e novos mundos se abrem. 

    


 


 


 


"Há livros pelos quais deslizamos ao de leve, esquecendo-nos das páginas, à medida que as vamos passando; há outros que lemos com reverência, sem nos atrevermos a concordar com eles ou a discordar deles; outros que se limitam a dar-nos informações, impedindo o comentário; e outros, ainda, que, porque os amámos tanto e durante tanto tempo, somos capazes de recitar palavra a palavra, dado que os sabemos de cor – sabemo-los com o coração."
 Manguel

Programa juventude cinema escola

O Programa JCE foi criado em 1997 pela Direção Regional de Educação do Algarve. Destina-se a promover o contacto dos jovens com o cinema em todo o Algarve.
 
Desta vez o programa deu a oportunidade aos alunos do 7º Ano de assistir ao filme "Os coristas" do realizador Christophe Barratier.
 
 
Sinopse:
Em 1949, Clément Mathieu, um professor de música desempregado, aceita trabalhar como supervisor num colégio interno para reeducação de menores. Mas ele não se dá bem com o sistema repressivo aplicado por Rachin, o director do colégio. A sua missão educativa parece condenada ao fracasso, mas ao familiarizar as crianças com a magia do canto, Mathieu vai transformar para sempre o seu quotidiano e as suas vidas.
(Publico.PT)
 
                
 

Cinema na Biblioteca

Com algumas turmas do 1º e 2º Ciclos.
 
 
 
 



 


Anedotas e Adivinhas


Uma sessão divertidíssima proporcionada aos alunos do 3º e 4º anos pelo aluno do 8º Ano, colaborador da biblioteca, Gonçalo Barradas. 

Felicitamo-lo pelos momentos fantásticos e engraçados que proporcionou aos seus colegas mais jovens. Pequenos episódios que os deixaram muito bem dispostos e a rir às gargalhadas.
A participação foi entusiasta. Mais tempo houvesse... Foi prometido repetir a experiência para sossegar os ânimos.

Atividade no âmbito da Semana da Leitura. 









Diálogo em língua francesa

No âmbito da Semana da leitura, as alunas do 9º Ano, Sara Pereira e Márcia Rosa, apresentaram aos alunos do 3º Ciclo um diálogo entre duas amigas sobre uma ida ao cinema, em língua francesa.

Após alguma interação em francês com os colegas, as alunas terminaram as sessões com uma lição sobre Galicismos: palavras ou expressões de origem francesa que abundam na nossa língua.

Felicitamo-las pela preciosa colaboração. Expressaram-se muito bem e com muito prazer, o que é essencial. Um importante contributo. Merci beaucoup.



Apresentação de livros em língua inglesa


No âmbito da Semana da Leitura, as alunas do 9º Ano, Mariana Conduto e Marta Pena, aceitando de novo e de bom grado o convite de colaboração à biblioteca, apresentaram de sala em sala, aos alunos do 3º Ciclo, a Trilogia Divergente: Divergente; Insurgente e Convergente, da escritora Veronica Roth.
Uma série que as conquistou facilmente assim como a milhões de outros leitores pelo mundo fora.

A apresentação foi feita em língua inglesa, do princípio ao fim. Um grande desafio, muito bem superado e aplaudido.
Felicitamos as leitoras pela organização, dedicação e paixão com que apresentaram o seu trabalho conjunto. E esperamos que esta partilha possa cativar, envolver e despertar nos colegas o prazer da leitura.





"Books are a big part of both of our lives. It’s our favourite hobby; the books we’ve read are countless and that made it really hard for us to choose one to present today. So we chose something we thought you would like and feel interested on.

Divergent was the book we chose. It was written by Veronica Roth, as the first book of the Divergent Series. The story happens in a futuristic Chicago, which is closed by walls; supposedly, the world outside doesn’t exist and everything there is dead. The society in there is divided in 5 factions (groups):

Amity, where people are calm, they value peace and harmony above all else. They are farmers and they feed the whole city with their products. Amity members are happy people, willing to serve.

Dauntless, where people are brave and fearless, they are seen as the strong soldiers of the factions. They wish to become courageous and indestructible. Their bodies are covered in tattoos and piercings and their duty is to protect the city.

Candors value honesty above all else. They are very truthful, sometimes to the point of hurting people without meaning to.  their function in the city is making justice. Although Candor values honesty the most, they also seek to develop impartiality.

Erudites, where people are highly intelligent; they are responsible for medicine, economy and the development of technology. Although the Erudites are very smart, they are known to be extremely vain.

At last, but not least, there’s Abnegation, where people are simply selfless, they value the needs of others above the needs of themselves; their duty is to govern the city, because, being selfless, they are the ones who will think about the “greater good” of the population.

There is, in fact, a place for people that don’t belong anywhere: those people are called Factionless and they live in the streets and are helped by Abnegation. They are seen as inferiors, but people don’t know how important some of them are...

...
Divergent, Insurgent and Allegiant all have movies, but you should read the books first, which doesn’t happen very often these days because people rather watch the movies since it’s easier."
.

Tradições e Costumes - O folar algarvio


 
A Tradição Portuguesa é uma herança ímpar de bens culturais, costumes e tradições de um País com mais de 800 anos de história.

Do Minho ao Algarve, Açores e Madeira, Portugal tem um património cultural de excelência, resultado da mistura de várias influências.
Civilizações que povoaram o território, dos fenícios aos romanos, dos mouros às novas gerações, do oceano que nos alimenta e nos conduziu aos Descobrimentos e ao intercâmbio com culturas de todo o mundo, do solo fértil ao clima ameno que nos tempera, a tradição portuguesa é um património para o mundo.
 

A Tradição Portuguesa revela-se no sabor de uma gastronomia riquíssima diretamente relacionada com as qualidades únicas dos produtos com que o solo e o mar a presenteiam e proporciona momentos deliciosos.

 


 
A Gastronomia Portuguesa tem referências mediterrânicas e atlânticas. O suporte da gastronomia do mediterrâneo, tem como base o pão, o azeite e o vinho, extensivo a todo o país, adicionando-se os produtos de origem hortícola e fruta fresca. Na tradição portuguesa gastronómica, os pratos e petiscos de carne, presuntos e enchidos tem uma particular relevância em todas as tradições regionais.
 
Por influência dos descobrimentos, a gastronomia portuguesa depressa passou a integrar o costume das especiarias e do açúcar, além de outros produtos, como a batata e o feijão, os quais passarem a ser considerados produtos essenciais.
(tradicaoportuguesa.pt)
 

 

A Sra. D. Lídia Correia, encarregada de educação na nossa escola, esteve na biblioteca com alunos do 5º e 6º Anos a explicar e demonstrar a tradição do folar que se faz desde há muito nas redondezas.
 
Nas festividades cristãs da Páscoa, o folar celebra a amizade e a reconciliação.
 
Pão doce, folar e bolo de folar (afolarado, como lhe chamou a inventora) foram as iguarias caseiras dadas a provar a todos os presentes. Irresistíveis e deliciosas.
 
"Eu sempre vivi muito estas coisas, a minha avó já me dizia que a semana da Páscoa era a do folar. Desde pequena que a ajudava para que não se perdesse a tradição. E até já ensinei à minha filha. Trouxe o pão doce, folar e o afolarado, todos feitos por mim, e olhe, paparam tudo, é porque estavam bons.
É preciso dar valor às tradições, cem por cento. Gostava que estas novas gerações fossem genuínas e puras como eramos antes. Fico mesmo satisfeita de falar sobre estas coisas."
 
 
Agradecemos a imensa generosidade e simpatia desta Senhora, os seus Saberes e ... Sabores.
Concordamos plenamente com a nota, mais que máxima, que lhe foi atribuída pela plateia, a seu pedido.
 
 



E aqui fica a receita do afolarado, inventado num dia em que se juntou muita família e não havia folar suficiente para todos.

6 ovos
4 chávenas de açúcar branco (ou 3 de açúcar amarelo)
4 chávenas de farinha
1 chávena de cacau
1 colher de sopa de canela
2 colheres de chá de ervas doces
1 colher de sopa de pó royal
1- chávena de óleo
1 chávena de leite

Batem-se os ovos inteiros com o açúcar muito bem e junta-se o resto dos ingredientes. Tudo bem batido e misturado, e forno com ele.


Até à última migalha...

O beijo da palavrinha - Exploração da história

Trabalhos dos alunos do 1ºCiclo em exposição na biblioteca.


"Até Poeirinha tinha sonhos pequenos, mais de areia do que castelos."

E tu, também costumas sonhar? Se sim, conta o que sonhas ou algum sonho que tenhas tído.
Esta foi a atividade proposta aos alunos do 4ºE e 4ºF, após a exploração e análise da história de Mia Couto, em sala de aula.
Um grupo de alunos trabalhou sobre a Biografia e Bibliografia do autor.


Às vezes sonho…

"Uma noite sentia-me muito cansada e fui para a cama mais cedo do que o habitual, deixei-me logo adormecer e sonhei que era uma andorinha que voava sobre o mar.
Nesse sonho tenho uma amiga andorinha e juntas fomos conhecer muitos lugares, países, conhecemos o mar, vimos golfinhos e todos os outros peixes.
Nas estações frias emigrávamos para países quentes e conhecemos novos lugares onde podemos fazer novos ninhos. Lá no céu avistamos muitas casas que parecem de bonecas.
Depois a minha mãe chamou-me para tomar o pequeno almoço e ir para a escola."


Beatriz Domingos





O inverno ilustrado

Atividade de tempos livres na biblioteca...  
 
Parabéns aos ilustradores pela criatividade e beleza dos desenhos.