Apresentação do Livro "Selva moldada"


Pequenas histórias de um imenso mar.

É com todo o prazer que a biblioteca acolhe os autores desta obra de literatura juvenil, editada pela Editora Estratégias Criativas. 

Estão todos convidados a assistir à sessão.

Conhecer os autores, as suas motivações e emoções na criação das histórias e das ilustrações, será com certeza muito interessante. 
Os livros adquiridos terão uma dedicatória especial, assinada pelos dois criadores. 

 Que boa maneira de festejar o Dia Mundial da Criança.


Leituras Encenadas

Um excerto da história "O príncipe nabo", da autora Ilse Losa,  serviu de inspiração à peça, bem divertida, criada por um grupo de alunos do 5ºA.
Assistiram à dramatização os seus colegas de turma, acompanhados pelo Professor de Língua Portuguesa, Luis Arquilino, bem como outros alunos presentes na biblioteca.

Rei- Rafael
Princesa Beatriz- Carolina R.
Marechal da corte- Mariana
Mademoiselle- Carolina P.
Príncipes Nabo, Ali-Gato e Partuk - Carlota











Leituras Encenadas

"A raposa e o corvo", do autor António Torrado, foi a peça escolhida e representada por um grupo de alunos do 5ºA para os seus colegas de turma, acompanhados pelo seu Professor de Língua Portuguesa, Luis Arquilino.

Narradores- Carolina e Ricardo
Corvo- Catarina
Raposa - Lara








Novos Livros na Estante

Editados pela Porto Editora, em 2014
 


"História de um caracol que descobriu a importância da lentidão"

Autores: texto, Luis Sepúlveda
               ilustração, Paulo Galindro
               tradução, Helena Pitta





"Os caracóis que vivem no prado chamado País do Dente-de-Leão, sob a frondosa planta do calicanto, estão habituados a um estilo de vida pachorrento e silencioso, escondidos do olhar ávido dos outros animais, e a chamar uns aos outros simplesmente "caracol". Um deles, no entanto, acha injusto não ter um nome e fica especialmente interessado em conhecer os motivos da lentidão. Por isso, e apesar da reprovação dos outros caracóis, embarca numa viagem que o vai levar ao encontro de uma coruja melancólica e de uma tartaruga sábia, que o guiam na cpmpreensão do valor da memória e da verdadeira natureza da coragem, e o ajudam a orientar os seus companheiros numa aventura ousada rumo à liberdade".




"Ali Babá e os Quarenta Ladrões"

Adaptação, Luc Lefort
Adapt. para a Língua Portuguesa, António Pescada

Leitura recomedada - 6º ano








"Patagónia Express"

Autor, Luis Sepúlveda



"Homenagem a um comboio que já não existe, mas que continua a viajar na memória dos homens e mulheres da Patagónia, estes "apontamentos de viagem" - como lhes chamou Luis Sepúlveda- tornaram-se um dos livros de referência do grande autor chileno".







Novos Livros na Estante





Dentro do segredo - uma viagem na Coreia do Norte
Editora Quetzal Editores, 2012.


"É a surpreendente estreia de José Luis Peixoto na literatura de viagens, e um olhar inédito e fascinante que nos leva ao quotidiano da sociedade mais fechada do mundo.(...)"







Hora do Conto




A Biblioteca Municipal Vicente Campinas, através da Assunção, voltou a proporcionar mais duas sessões da atividade, a duas turmas do 1º ciclo. 

O conto ecológico de Umberto Eco e Eugénio Carmi, que promove valores ambientais, focando problemas atuais de poluição, saúde e sustentabilidade, foi ouvido com muita atenção.

Os alunos estiveram acompanhados pelas suas Professoras, Ângela e Idalécia.


                 



  


 

Depois de ouvirem o conto, a Professora Filomena chamou a atenção para a importância da reciclagem, e mostrou-lhes alguns dos processos de transformação que dão nova vida ao lixo.



 "Umberto Eco propõe-nos uma perspectiva do nosso planeta, através do olhar crítico dos habitantes de outra galáxia. O conto narra a história de um planeta muito poluído (Terra) que envia um explorador intergaláctico para descobrir outro planeta. O Imperador pretende dar a conhecer os seus conhecimentos e tecnologias. Depois de muito procurar, o explorador encontra, então, um planeta muito verde chamado Gnu, onde os seus habitantes são gnomos. Começa, assim, a narrativa ecológica, em que o escritor, a páginas tantas, inverte os papéis, acabando os habitantes de Gnu por chegar à conclusão de que o melhor seria serem eles a descobrirem o planeta do explorador para passar, aos respectivos habitantes, os seus conhecimentos ecológicos, eliminando as cores escuras do planeta Terra".

Fonte:
https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/5982/1/Mestrado%20Disserta%C3%A7%C3%A3o.pdf

Teatrinho na BE

Mais uma representação da peça "Olha o passarinho", do autor António Torrado.
Desta vez, quem se divertiu a valer foi uma turma de alunos do 3º e 4º anos.

O elenco está de parabéns. O trabalho em equipa funcionou muito bem. Os alunos envolveram-se com a trama e percebeu-se que sentiram muito prazer na interpretação das personagens.
 
 O entusiasmo contagiou a plateia, que teve ainda o privilégio de ser fotografada em grupos, e com muita arte, pelo gentil e grande profissional, fotógrafo de Muita Arte, Alípio Pio Passarinho. Ora que bela recordação! 







Projeto Escolhas Vivas

Projeção na biblioteca de trabalhos realizados em sala de aula com a Vânia, animadora cultural no 1º ciclo.

Tema: "Emoções"

Os alunos do 3º e 4º anos estiveram acompanhados pela Professora Leontina.




Maio, Mês do Coração

A Fundação Portuguesa de Cardiologia alerta-nos, de novo, para o problema das doenças cardiovasculares.

Este ano, o Maio, Mês do Coração, é dedicado à importância da atividade física.

É importante perceber que existe uma forte relação entre o exercício, a saúde e o bem-estar.
A atividade física regular ajuda a controlar o peso e aumenta a saúde do aparelho cardiovascular, dos pulmões e do aparelho músculo-esquelético.


É necessário adotar um bom estilo de vida desde cedo. E isso passa por brincar ou fazer atividades desportivas. E se for ao ar livre, tanto melhor.


Aproveitando as revistas velhas para passar mensagens importantes, e com ajuda...



Teatrinho na Biblioteca

"Olha o passarinho", do autor António Torrado, retirado do livro "Teatro às três pancadas", foi a peça escolhida por um grupo de amigos do 7º ano, para representar aos colegas que visitam a biblioteca.

Um história pequena, muito engraçada, que retrata momentos de trabalho do fotógrafo ambulante, Alípio Pio Passarinho. Um profissional excêntrico no trajar e exuberante nas atitudes. 

Personagens:
Fotógrafo Alípio Pio Passarinho - Luis 
A jovem cliente - Masary
Os carrancudos membros do grupo familiar - Ana Rita, Keshi e Dinis
D.Teresa Baronesa- Joana

Quem assistiu, divertiu-se imenso. O grupo fez um bom trabalho. A biblioteca agradece a iniciativa destes alunos e informa que estará sempre pronta a colaborar neste tipo de projetos. Inclusivé, tem à disposição livros com peças pequenas, fáceis de dramatizar. 


"- Um momento! Por fineza
um sorriso jovial,
uma gotinha de riso
a fingir de casual..."


"- Com um toque pessoal, o retrato fica melhor do que o original. Amanhã pela 
tarde pode vir buscar."


"- Um para cada um com todos. E um para todos com todos."


"- Dona Teresa Baronesa,
um retrato sem a lindeza
dum risinho tal e qual,
de certeza, Dona Teresa,
que até parece avareza... 
                                                    - Não rio que fico mal"                                                           
                

A queda de D. Teresa Baronesa


E houve quem quisesse pousar para a câmara e ficar com uma foto de recordação tirada pelo Fotógrafo de Muita Arte.


A professora Célia orientou o Luis e a Masary na produção da máquina fotográfica do fotógrafo ambulante.


Adereços e cartazes feitos pelos atores.



A instrumentalina de Lídia Jorge



Disponível na biblioteca.


"A infância tem sido, para inúmeros escritores, uma espécie de arca doirada da qual retiram muita da inspiração que alimenta as suas obras. A Instrumentalina é um desses casos de maravilhada referência às emoções dos anos de juventude. Trata-se de uma narrativa particularmente depurada, escrita de um único fôlego, e onde, de forma comovedora, se patenteiam a ternura e a inocência de uma primeira paixão".
(Wook.pt)

Novos Livros na Estante

Duas obras oferecidas pela Câmara Municipal de Lagos, as quais muito agradecemos.

Lagos e os Descobrimentos, 2008
Rui Manuel Loureiro

"...o trabalho possível com a documentação de que dispomos, e que não é tão abundante quanto desejaríamos; exatamente porque existem hoje, "nos arquivos e bibliotecas portuguesas, relativamente poucos elementos que se refiram directa e extensivamente à vida de Lagos nos séculos XV e XVI.
 (...) o trabalho teve de radicar-se em fontes indirectas, mas na sua maioria redigidas ainda no século XV, como as crónicas de Gomes Eanes de Azurara ou as narrativas de Alvise de Cadamosto e de Diuogo Gomes."



Lagos: o republicanismo e a administração municipal (1908-1914)
José Alberto Baptista

"Dedicatória
Aos companheiros de luta pela democracia republicana, pela cidadania participativa e pelo futuro de Lagos, eleitos depois da Revolução de Abril de 1974.

À memória dos republicanos de Lagos que, em Outubro de 1910, fizeram com a República um juramento de destino."

Concurso Nacional de Leitura - Prova Distrital

O Centro Cultural de Lagos, acolheu, no passado dia 28 de Abril, os alunos das diversas escolas para a prestação das provas da 2ª fase do concurso.
A nossa escola esteve representada por três alunos do 7ºano, os quais estiveram acompanhados pela coordenadora da biblioteca, Professora Filomena Andrade.

Os alunos tiveram de realizar uma prova escrita sobre as obras previamente lidas:
"Patagónia Express" de Luís Sepúlveda e "O grito da gaivota" de Emmanuelle Laborit.


Após as provas, uns momentos de descontração e convívio, à espera dos resultados.


No anfiteatro, com a  expetativa de serem selecionados para as audições.

A Ana Rita, o Luís e o Roberto não tiveram essa sorte, no entanto gostaram muito de participar e do passeio. Uma primeira experiência pode ser muito enriquecedora.


Os alunos assistiram às prestações de todos os colegas e aplaudiram os vencedores.

Os nossos alunos ainda irão participar no Concurso da Rede de Bibliotecas do Baixo Guadiana.



Lídia Jorge - escritora algarvia


A sua vocação literária revelou-se em 1980 com "O dia dos prodígios", romance passado nos campos algarvios que mereceu um excelente acolhimento da crítica e foi distinguido com o Prémio Ricardo Malheiros.
É ainda o Algarve que serve de cenário para o seu segundo romance, O cais das merendas.

Nas obras que se seguiram, o amor e a paixão ocupam um lugar central, embora o meio envolvente, amiúde pós-salazarista, marque sempre uma presença importante.

Os seus romances são profundamente portugueses; segundo as suas palavras,

"ninguém nasce livre da terra; não vale a pena fugir".

(sobrecapa do livro "A costa dos murmúrios", Publicações D. Quixote, 2002)
Foto retirada da Internet

Autor do Mês - Lídia Jorge


Lídia Guerreiro Jorge nasceu a 18 de Junho de 1946, em Boliqueime, concelho de Loulé, Algarve, província essa que mais tarde serviria de cenário para os seus dois primeiros romances.
Em 1964, após completar os estudos secundários, mudou-se para Lisboa e licenciou-se em Literaturas Românicas na Universidade de Lisboa.

Seguiram-se duas estadias em África, primeiro em Angola, entre 1969 e 1970, e mais tarde em Moçambique, entre 1972 e 1974, antes de se estabelecer definitivamente na capital.
Lídia Jorge enveredou pela carreira de professora do ensino secundário, mas encara a escrita como a sua verdadeira vocação, facto esse sobejamente confirmado pela publicação de dez obras de fôlego no espaço de vinte anos. 

Embora cada novo livro seja indubitavelmente diferente do anterior, Lídia Jorge tem-se mantido profundamente ligada à ideia do empenhamento social do escritor e ao seu papel de testemunha. Deste modo, as suas obras abordam temas relacionados com a história, a memória e a identidade (quer pessoal quer colectiva).

Cláudia Pazos Alonso (professora na Universidade de Oxford - Reino Unido).
Fonte: http://instrumentalina.blogs.sapo.pt/6153.html