25 de Abril - 40 anos

Interessantes e plenas de significado e esperança, as ilustrações em pastel de óleo, produzidas pelos alunos do 6ºB, nas aulas de EVT, sob a orientação da Profª. Elizabete Isabel, estiveram em exposição no Dia Aberto, na sede do agrupamento, em Vila Real de Santo António.
Os trabalhos foram muito apreciados pela multidão de alunos de várias escolas do concelho, que visitaram este dia, 24 de Abril, a Escola Secundária.
 





 




Grândola Vila Morena...

“Olho pela janela, e oiço os meus pais dizerem que a partir do dia de hoje, tudo vai ser diferente. Não consigo perceber a razão pela qual dizem isso, pois tudo está a correr na normalidade.
Sinto a falta do meu irmão mais velho, foi para a guerra, por uma razão que ainda hoje, passado um ano, desconheço. Espero que a mudança da qual os meus pais falam, esteja relacionada com isso.
A única pista que tenho é o rádio. Há horas que olham fixamente para ele, escutam atentamente o som que dele sai… Isso deixa-me ainda mais curiosa e intrigada.

“Grândola  vila morena, terra da fraternidade…”
A partir do momento que essa música passou na rádio, tudo passou a ser diferente, inclusive a atitude dos meus pais, que me mandaram ficar fechada em casa, enquanto eles íam “ver se a  tia estava melhor”. Não acreditei, pois ninguém fica tão contente, só porque vai visitar uma tia doente.
Na rua, de um momento espalhou-se um alvoroço, e eu continuei a olhar pela janela. Passaram tanques cheios de militares, que por mais estranho que pareça, tinham um sorriso na cara. Fiquei assustada, e decidi fazer o que os meus pais  mandaram, ir dormir.
Horas mais tarde, os meus pais chegaram a casa com um cravo na mão e , mais felizes que nunca disseram-me:
- Viva a LIBERDADE"

Matilde Francisco
8º ano

Ilustração, Michelle Kondrich




Feira das Hortículas

A turma, CEF - Operador Agrícola, organizou mais uma venda de alimentos frescos e saudáveis. Desta vez, o forte foram as favas, os repolhos e as cenouras.
E a comunidade consome estes alimentos da horta, pela sua saúde, conforme estes alunos muito bem aconselham. Mais houvessem...
 

 
"Numa aula de fruticultura, os alunos aprenderam a podar a videira e algumas árvores de fruto." 

 

 

25 de Abril - Ilustrações

ilust. Rafael Pinto


ilust. Roberto Rodrigues


Ilust. Neuza Dores

Ilust. Dinis Rodrigues

Ilust. Gonçalo Rosa

Ilust. Raquel Gonçalves

Ilust. Diogo Vicente

Ilust. Ana Beatriz Ramos



English Breakfast

As professoras de Inglês da nossa escola, realizaram, como já vem sendo tradição, a atividade "English Braekfast", o tradicional pequeno almoço à inglesa. Contaram com a preciosa ajuda das funcionárias da cozinha e bar, e com a entusiasta participação da comunidade escolar.

 



Dia Mundial do Livro

 

Ilustração de Ana Nascimento com a colaboração de David Serafim e Sara Gonçalves
 
ilustração de Dinis Rodrigues, 6º anos

 Esta manhã, muitos livros saíram das estantes, e espalharam o seu charme pelas mesas da biblioteca.
 A Maria e a Beatriz prepararam pequenos cartazes para os acompanhar e chamar a atenção dos visitantes para este dia que muito justamente os dignifica.


 

O homem que lê
 

Eu lia há muito. Desde que esta tarde
com o seu ruído de chuva chegou às janelas.
Abstraí-me do vento lá fora:
o meu livro era difícil.
Olhei as suas páginas como rostos
que se ensombram pela profunda reflexão
e em redor da minha leitura parava o tempo. —
De repente sobre as páginas lançou-se uma luz
e em vez da tímida confusão de palavras
estava: tarde, tarde… em todas elas.
Não olho ainda para fora, mas rasgam-se já
as longas linhas, e as palavras rolam
dos seus fios, para onde elas querem.
Então sei: sobre os jardins
transbordantes, radiantes, abriram-se os céus;
o sol deve ter surgido de novo. —
E agora cai a noite de Verão, até onde a vista alcança:
o que está disperso ordena-se em poucos grupos,
obscuramente, pelos longos caminhos vão pessoas
e estranhamente longe, como se significasse algo mais,
ouve-se o pouco que ainda acontece.

E quando agora levantar os olhos deste livro,
nada será estranho, tudo grande.
Aí fora existe o que vivo dentro de mim
e aqui e mais além nada tem fronteiras;
apenas me entreteço mais ainda com ele
quando o meu olhar se adapta às coisas
e à grave simplicidade das multidões, —
então a terra cresce acima de si mesma.
E parece que abarca todo o céu:
a primeira estrela é como a última casa.


"O Livro das Imagens", Rainer Maria Rilke

Os Melhores Leitores - 2º Período



 1º Ciclo
 
Fikrie Kuneva, 4º ano                       
Dmytro Taldykin, 4º ano
Bárbara Soares, 4º ano


2º Ciclo

Dinis Rodrigues, 6º ano
João Pedro Viegas, 7º ano
Nuno Valente, 5º ano


3º Ciclo

Ana Beatriz Chagas, 8º ano
Carolina Sousa, 8º ano
Matilde Francisco, 8ºano



Leitura Presencial

Tony Pereira, 9º ano
Diogo Cunha, 9º ano
Rodrigo Marques, 5º ano
Dinis Rodrigues, 5º ano
...

Símbolos da Páscoa

 
O Ovo 
O ovo é um daqueles símbolos que se explica por si mesmo.
Contém o fruto da vida, que representa o nascimento e a renovação. De uma forma simples, podemos dizer que é o símbolo da vida.
 



 oferta da Abril, 4º ano

 
Os celtas, gregos, egípcios, fenícios, chineses e muitas outras civilizações acreditavam que o mundo nasceu de um ovo.
Na maioria das tradições, este "ovo cósmico" aparece depois de um período de
caos.

Na Índia, por exemplo, acredita-se que uma gansa chamada Hamsa (um espírito considerado o "sopro divino") chocou o ovo cósmico e, daí, dividido em duas partes, o ovo deu origem ao céu e à terra (o céu seria a clara do ovo e a terra a gema).








O mito do ovo cósmico aparece também nas tradições chinesas.
Antes do surgimento do mundo, quando tudo ainda era caos, um ovo semelhante ao de galinha abriu-se e, dos seus elementos pesados, surgiu a terra (Yin) e, da sua parte leve e pura, nasceu o céu (Yang).


Há vários séculos os orientais preocupavam-se em embrulhar os ovos naturais com cascas de cebola e cozinhavam-nos com beterraba. Ao retirá-los do fogo, ficavam com desenhos mosqueados na casca. Os ovos eram dados como presentes na Festa da Primavera.

Para os celtas, o ovo cósmico é parecido com o ovo de uma serpente.
Para eles, o ovo representava o Universo: a gema era o globo terrestre, a clara o firmamento e a atmosfera, e a casca equivalia à esfera celeste e aos astros.
Na tradição cristã, o ovo aparece como uma renovação periódica da Natureza.
Em muitos países europeus, ainda hoje há a crença de que comer ovos no Domingo de Páscoa traz saúde e sorte durante o resto do ano (ora vejam os folares da Páscoa!).
E mais: um ovo posto na sexta-feira santa afasta as doenças!




O Coelho

Por serem animais com capacidade de gerar grandes ninhadas, a sua imagem simboliza a renovação e a vida nova.

A tradição do coelho da Páscoa não é portuguesa; foi levada para a América por imigrantes alemães em meados de 1700.

Para eles, o coelhinho visitava as crianças, escondendo os ovos coloridos que elas teriam de encontrar na manhã do Domingo de Páscoa. A tradição não veio para Portugal, mas a imagem do coelho, sim.


Fonte: Junior.pt
 









Bibliopaper - Vencedores

Eis os resultados da atividade inserida na Semana da Leitura, para os alunos do 7º e 8º anos, elaborada e produzida pela corajosa e dedicada aluna do 9º ano, Daniela Correia, sob a orientação da sua professora de Português, Gilda Almeida, e com o apoio, no terreno, dos seus colegas de turma.
Na correção das provas foram tidos em conta os factores: adequação das respostas, sintaxe, ortografia, e tempo dispendido.
 Em breve, no dia da Escola Aberta, serão entregues prémios e diplomas às equipas destacadas.
Parabéns aos vencedores.
Parabéns a todas as equipas participantes.
 
 
1º Lugar
 
"Keep Calm"
Ana Amaro
Ana Martins
Matilde Francisco
Maria Magalhães
Sara Martins

 


 
 
2º Lugar
 
"Os Loucos"
Gabriel Batista
João Roberto
Rafael Batista
Rui Pedro
Tomás Trindade
 

 
 
 
3º Lugar
 
"Fantastic 5"
Bernardo Cravo
Mariana Conduto
Marta Pena
Miguel Gil
 Rosana Sousa