Mia Couto - poema



"Pois, lhe digo, minha Dona. É uma pena a senhora andar por aí
fatigando seus olhos pelo mundo. Devia era, logo de manhã, passar
um sonho pelo rosto. É isso que impede o tempo e atrasa a ruga.
Sabe o que faz? Estende-se aí na areia, oblonga-se deitadinha,
estica a alma na diagonal. Depois, fica assim, caladita, rentinha
ao chão, até sentir a terra se enamorar de si. Digo-lhe, Dona:
quando ficamos calados, igual uma pedra, acabamos por escutar os
sotaques da terra. A senhora num certo momento, há-de ouvir um chão
marinho, faz conta é um mar sob a pele do chão. Aproveita esse
embalo, Dona Luarmina. Eu tiro boas vantagens desses silêncios
submarinhos. São eles que me fazem adormecer ainda hoje. Sou
criança dele, do mar."

Mia Couto



Sem comentários: